O Associativismo no Barreiro

O Associativismo no Barreiro, foi este o tema escolhido em conversa com um amigo à mesa de uma esplanada, num sábado de verão. Amigo ligado ao movimento associativo e que rapidamente se predispôs a contribuir para a edição ligada a este tema. Pesem embora as suas boas intenções, as contribuições das pessoas ligadas ao movimento associativo, e a sua própria, vieram a revelar-se inexistentes.

Escolhido o tema, foi lançado o desafio aos regulares colaboradores que participam, desde a primeira hora, nesta aventura de cidadania plena, que, em tempo de crise, também se tem vindo a revelar escassa a participação dos cidadãos na vida da nossa terra.

Apesar de tudo, mais uma vez, estes colaboradores, deram a sua contribuição desinteressada.

Nos tempos que correm, o movimento associativo no Barreiro, não está de grande saúde. As dificuldades são muitas: poucos sócios, pouca participação, grandes dificuldades na promoção e divulgação das iniciativas, problemas de gestão e económicos, falta de democracia interna, associações “ fechadas” que não se abrem à comunidade e aos sócios, etc…etc…

Num período de recessão económica (e não só), poucas são as associações do Barreiro que de uma forma coerente e regular, contribuem para a melhoria da vida dos cidadãos e dos seus sócios realizando actividades culturais e de índole desportiva.

É claro que nem tudo é mau. Existem vários exemplos de sucesso e de muita imaginação para criar e desenvolver actividades a custo zero.

O Barreiro, sendo como é uma terra com fortes tradições nesta área do associativismo, mesmo com todas as actuais adversidades não pode caminhar para o abismo. É necessário que todos os cidadãos e o poder local, em conjunto voltem a prestar a atenção ao movimento associativo.

Incentivar as associações com ajudas concretas, mais importantes do que os subsídios para “almoços de aniversário”, nomeadamente, ajudando na formação de dirigentes, na área de gestão de sócios, na área das finanças, na área criativa, na elaboração de projectos, na divulgação das suas iniciativas, na criação de um portal das colectividades, no fornecimento de programas informático para gestão de sócios, incrementando a entreajuda entre as várias associações, partilhando meios e vontades. Enfim incentivando a participação e cidadania de uma forma activa. São pequenos passos que podem até não significar qualquer aumento de custos para o poder local.

Nas actuas circunstancias da vida, o Barreiro, na área do Movimento Associativo, tem condições excelentes, dada a sua tradição nesta área, onde o Associativismo faz parte da cultura dos Barreirenses, da sua forma de estar na vida, radicando no princípio de que a união entre cidadãos, é o caminho para resolver os problemas. Haja vontade e determinação e algum incentivo activo para juntar e dinamizar vontades adormecidas.

José Encarnação